Poema dos quatro pares de músculos intrínsecos ou Poema complementar da B C

  

A língua da minha amada

nasceu pelada e faminta

e mesmo que não pareça

tem quase 10 centímetros

de pura safadeza

 

A língua da minha amada

tem 3 mil papilas gustativas

e comprova que é o músculo mais forte do corpo

encostando apenas na minha virilha

 

A língua da minha amada

fala pelos cotovelos

e só fica calada

quando encosto meu períneo no seu queixo

 

A língua da minha amada

é lambidestra, vai lá e cá

e só não é mais assanhada

que a de um tamanduá

 

A língua da minha amada

tem habilidade para desfecho

é cada touché que ela dá

no hímen e no bico do meu peito

 

A língua da minha amada

me come com os olhos e me chupa na cama

e é só encostar na pontinha

salgado com doce

que logo me desmonta

 

A língua da minha amada

só não é mais tesuda

porque de vez em quando

me fala umas coisa absurda

e para eu desculpar

só se me falar umas coisa cabeluda

 

 Ravena Monte

Revista Propulsão (ISSN: 2595-1351 )

Conteúdo protegido pela Lei do Direito Autoral nº 9.610/98. 

Editora Responsável

Lia Leite