PASSEIO COM O DIABO

 

Eu e o diabo saímos para passear.

Sei que disso pode se esperar muito,

mas nós saímos para passear.

CU

 

Depois de coçar o cu,

a evolução do ser humano permite que ele escolha entre

seguir debaixo do cobertor a noite toda com o dedo usado

ou ir até a pia.

Se o ser humano decide lavar

e, depois, mais uma vez se pega no meio da coçada,

o ser humano se levanta novamente?

Já disseram que o cheiro de merda quando sutil agrada ao grego.

Não no momento do beijo.

Mas sim na peça de roupa amanhecida da pessoa amada.

É preciso responder tais perguntas.

Chamem os filósofos:

a merda não causa amor,

mas o cu sim.

Não como porta obscena,

caricatura do sexo,

mas como pele que tem cheiro, textura e gosto.

Como dedinho do pé,

como virilha.

Causa amor porque permite ao que ama

alcançar o céu no mais baixo dos pedestais.

Possuir tudo e subjugar-se completamente

com apenas um toque da língua.

Gabriel Stroka Ceballos é escritor paulistano e tem 27 anos. Com participações eventuais em concursos literários, foi premiado com o poema "Explicação" pela UFLA em 2015 e finalista no 28º FEPOC com o texto "O Voto". À convite página Uma Casca de Noz, do grupo Carta Capital, contribui com microcontos para a série Miúdos. Atualmente trabalha em seu primeiro romance e mantém o site gscb.com.br.

Revista Propulsão (ISSN: 2595-1351 )

Conteúdo protegido pela Lei do Direito Autoral nº 9.610/98. 

Editora Responsável

Lia Leite