fantasma

a mulher que quis firmar os pés

sobre a ponta da encosta mais estreita,

o homem que quis se desconfigurar

com a névoa, alguém me contou sobre

eles e não esqueci, eu que quis procurar

na geografia dos livros escolares os

nomes que não me pertencem, como se

na superfície daqueles mapas pousassem

os domínios da tua figura e da tua árvore

genealógica, porque gosto das palavras e

das imagens mas também porque quero o

direito de me fazer distante, ser dura e veloz,

soprar quente e úmido, eu que não tive

necessidade de esquecer, que não cruzei os

braços, que tenho olhos e eles estão

constantemente submersos em ti, mesmo

quando não estás presente

 

​​​​​​​segredo

quando criança, tinha um sonho repetidas noites: caminhava pelo centro comercial da cidade até me deparar com a fachada de um armazém abandonado, um lugar parado no tempo diante das figuras que cruzavam incessantes a rua de paralelepípedos, ao som da feira e dos motores industriais, pés e pneus amassando frutas e anúncios de papel. a porta lateral do prédio velho cedia cada vez que minha mão enconstava nela. ninguém percebia quando eu desaparecia ali dentro, um vão que dava para outro e mais outro e logo adiante uma praia por onde eu caminhava ao longo do declive junto à vegetação rasteira que encostava nas minhas pernas até a altura dos joelhos, eu gostava de saber que havia ali, por detrás de uma fachada esquecida no pedaço barulhento da cidade, um segredo, um refúgio insuspeitado para onde eu poderia correr sempre que desejasse.

 

 

 

memória

ao conjunto de águas

deu o nome de terras

ao conjunto de montanhas

deu o nome de ilhas

então estendeu o braço

e subiu nas pontas dos pés

com um movimento breve

e um sentimento vidro

fez chover por setenta dias

e as setenta noites eram

tão somente para

nos lembrarmos de você

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

Raisa Christina é artista visual e escritora, nascida em Quixadá(CE). Pesquisa poéticas no desenho e na criação de mapas de percursos errantes pelo espaço urbano. É autora do livro de autoficção "mensagens enviadas enquanto você estava desconectado", publicado pela Editora Substânsia em 2014. Integra a Antologia de Contos Literatura Br, publicada pela Editora Moinhos, em 2016. Mantém a página http://corposonoro.tumblr.com/

Revista Propulsão (ISSN: 2595-1351 )

Conteúdo protegido pela Lei do Direito Autoral nº 9.610/98. 

Editora Responsável

Lia Leite